Mulher design

Eileen Gray é basicamente quase um século de criação. Tão conhecida quanto Le Corbusier ou Mies Van Der Rohe, ela tem um lugar de honra no Panteão do design e figura entre os arquitetos e designers que marcaram profundamente a modernidade do século 20. Para homenager essa guerreira o Centro Pompidou organizou uma retrospectiva em torno da artista e nos oferecer uma amostra do seu espírito vitoriano doméstico, que ela criou e definiu como seu leitmotif pessoal, através de imagens, peças de mobiliário e muitos documentos inéditos.

Defendendo um retorno à emoção, Eileen Gray combinou modos de expressão com campos artísticos e técnicas de desenho. Confrontada num ambiente ainda dominado por homens, a figura dessa artista feminista nos oferece uma baforada de vanguardismo. Ela nunca se envolveu com a produção industrial, o que dá às suas obras um caráter único. Seu trabalho combina o virtuosismo técnico e a força poética, revelando uma nova concepção do espaço em relação ao mobiliário e ao objeto. Algo bem apropriado a sua maneira de ser e ao seu otimismo em relação à criação: “O futuro projeta uma luz, enquanto o passado são apenas nuvens”…  Até 20 de maio de 2013 no Centro Pompidou, em Paris.

About Marilane Borges

Eu amo a França e nutro desde sempre uma paixão por Paris, onde decidi viver por minha própria conta, talento e risco. Deu certo e continuo feliz com minhas escolhas. O Mademoiselle Borges é uma das janelas da minha alma de onde vislumbro beleza, talentos e pessoas interessantes. Deleite-se!